Inicio / Parque Paleozoico de Valongo / Percurso Vermelho / Fojo das Pombas, Valongo

Percurso Vermelho / Fojo das Pombas, Valongo

Percurso pedonal "implantado em terrenos com litologias pertencentes ao Precâmbrico e / ou Câmbrico e ao Ordovício. Este percurso apresenta, na sua parte inicial, litologias como xistos e siltitos de idade ordovícia. À medida que o percurso se vai deslocando para Oeste, aqueles materiais vão dando origem a litologias mais grosseiras, culminando com bancadas métricas de quartzíto onde é possível observar pistas de locomoção de trilobites (Cruziana). Estas bancadas quartzíticas, devido à sua maior resistência à erosão, materializam os grandes alinhamentos que formam as Serras desta região." Neste trilho pode-se desfrutar da vista que se proporciona sobre o vale do rio Ferreira, observar inúmeros trabalhos mineiros da época romana, com especial destaque para o Fojo das Pombas. (Texto extraído do desdobrável do Parque Paleozóico de Valongo - FCUP - Departamento de Geologia)

CARATERÍSTICAS

LOCALIZAÇÃO
Morada: Rua São João
Localidade: Valongo
Código Postal: 4440 - 097
Telefone: 22 422 79 00
Correio Eletrónico: ambiente@cm-valongo.pt
Website: http://www.cm-valongo.pt
FUNCIONAMENTO
Local público, sem horário e valor de entrada definidos.
ORGANIZAÇÃO DA VISITA
A visita deste Ponto não necessita de marcação prévia e pode ser feita individualmente.

Condições Específicas:
Realizam-se visitas interpretativas para grupos. Os interessados poderão inscrever-se individualmente mas as mesmas só se realizarão com o mínimo de 10 pessoas. Inscrições na Divisão de Ambiente, através dos n.º 22 422 79 00 / 91 110 16 30 ou do e-mail ambiente@cm-valongo.pt.

Modo de Realização:
A pé

Nível de Dificuldade:
Média

Visita para grupos:
Sim
Número Mínimo de Pessoa por grupos:
10
Número Maximo de Pessoa por grupos:
30
Observações:
Possibilidade de realizar visitas interpretativas à semana e ao fim de semana mediante pedido prévio e de acordo com a disponibilidade de agenda.

Visitas guiadas:
Sim
Observações:
As visitas interpretativas necessitam de marcação prévia, a ser feita na Divisão de Ambiente, através dos n.º 22 422 79 00 / 91 110 16 30 ou do e-mail ambiente@cm-valongo.pt.
EQUIPAMENTO EXISTENTE
Curiosidade geológica
INTERESSE GEOLÓGICO / MINEIRO
História Parimónio:
Este percurso pedonal tem interesse ao nível da geologia, biologia, arqueologia e desportos de natureza.

Programa de Actividades:
É possível realizar visita interpretativa ao percurso e/ou Fojo das Pombas (temporariamente encerrado), complementada com visita ao Centro de Interpretação Ambiental (temporariamente encerrado, em processo de remodelação), mediante marcação prévia na Divisão de Ambiente, através dos n.º 22 422 79 00 / 91 110 16 30 ou do e-mail ambiente@cm-valongo.pt.

Valência de Estudo e Investigação:
Estudo, preservação e divulgação dos valores geológicos, biológicos e histórico-culturais das Serras de Santa Justa e Pias. O Parque Paleozóico, no qual se insere o Percurso Vermelho/Fojo das Pombas, é palco de muitos trabalhos científicos, aulas de campo, visitas escolares e do público em geral.

Recursos Audiovisuais e Multimédia:
Possibilidade de utilização do Centro de Interpretação Ambiental, mediante marcação prévia, para sessões multimédia.

Programas de Voluntariado:
-
TRANSPORTE
Tipo de Transporte:
Táxi
Nome da Agência:
Joaquim Fernando de Jesus Moreira
Telefone de Contacto:
224225949

Tipo de Transporte:
Táxi
Nome da Agência:
Orlando Gentil de Sousa Moreira
Telefone de Contacto:
919783750

Tipo de Transporte:
Táxi
Nome da Agência:
Evaristo Marques de Ascensão & Marques
Telefone de Contacto:
919377211

Parque destinado a viaturas privadas:
Sim

SITIOS DE INTERESSE TÚRISTICO
Capela de Santa Justa

Sita no cume da Serra de Santa Justa, freguesia e concelho de Valongo. A ela estão associadas duas personagens religiosas: Santa Justa e Santa Rufina, veneradas e invocadas pelos oleiros de quem são padroeiras. O edifício data dos anos 30, do séc. XX, tendo sofrido inúmeras alterações que alteraram a sua morfologia inicial. As festividades religiosas realizam-se no penúltimo fim de semana de julho, entre sábado e terça-feira.
gps: 41,17766 -8,49753
distância: 4km


Capela de São Sabino

Sita no cume da Serra de Santa Justa, freguesia e concelho de Valongo. A ela está associado a veneração de S. Sabino, protetor dos deficientes. Desconhece-se a data da sua edificação, apontando alguns autores o séc. XI, aquando da expulsão dos mouros. As festividades religiosas realizam-se no penúltimo fim de semana de julho, entre sábado e terça-feira.
gps: 41,17778 -8,49834
distância: 4km


Capela Nossa Senhora dos Chãos

Sita na freguesia e concelho de Valongo. A Capela data de 1625 e situa-se na Serra de Santa Justa com vista privilegiada sobre os concelhos vizinhos, tendo o mar como linha de horizonte. Reza a lenda que, estando vários navegadores em perigo de naufrago em alto mar, invocaram a Virgem Nossa Senhora, que os salvou. Tomé António, um dos navegadores, grato pela sua generosidade decidiu construir esta capela em sua homenagem.
gps: 41,18781 -8,51331
distância: 5km


Igreja Matriz

Sita na freguesia e concelho de Valongo. A sua construção foi autorizada por Portaria do Governo, assinada por D. João VI, e data de 1793. Para arrecadar verbas para a sua edificação foi imposto um tributo de 5 reis sob cada alqueire de trigo e de 1 real por cada quartilho de vinho ou azeite ou arratel de carne comercializado. Em 1809 foi Quartel para os Invasores Franceses. Em 1837 a Sacristia foi palco da 1ª reunião Camarária.
gps: 41,18788 -8,50154
distância: 3km


Museu Municipal e Arquivo Histórico

Sito na freguesia e concelho de Valongo, encontra-se instalado num edifício mandado construir por Bernardo Martins da Nova, nos inícios do séc. XIX, ao qual foi acrescentada, em 1825, a Capela de S. Bruno. Em 1837, foi aqui instalada a sede da Câmara, com a elevação de Valongo a Concelho em 1836. Pelo seu valor histórico e arquitetónico, foi adaptado para Museu Municipal e Arquivo Histórico, estando a funcionar desde 1 de junho de 2001.
gps: 41,18921 -8,49868
distância: 2km


ROTAS ASSOCIADAS
Rota Romana do Ouro no Norte de Portugal

A Rota Romana do Ouro no Norte de Portugal é uma proposta de percurso de turismo mineiro e geológico dedicado ao tema da exploração dos recursos minerais de ouro no Norte de Portugal, região que em época romana constituiu uma das principais áreas de mineração aurífera do Império Romano.



SUGESTÕES DO ROTEIRO - OUTROS PONTOS PRÓXIMOS A VISITAR
"Mistura" de rochas

Afloramentos de gnaisse biotítico e gnaisse leucocrata "misturados" com metassedimentos. Painel explicativo.

Brecha Ígnea

Observação de afloramentos de brecha ígnea gerada durante a intrusão de um granito varisco nas rochas mais antigas. Painel explicativo.

Centro de Intepretação das Minas de Ouro de Castromil e Banjas

Em Paredes, na região de Castromil e das Banjas encontram-se importantes vestígios das explorações auríferas do tempo dos romanos. Esta região está inserida no NW peninsular que terá sido considerada uma das áreas mais ricas e que mais ouro ...

Centro Interpretativo

O Centro Interpretativo do Passeio Geológico da Foz do Douro, inaugurado a 27 de Novembro de 2008, constitui um espaço onde decorrem actividades complementares às visitas de campo realizadas no percurso outdoor.

Erosão das rochas

Observação de aspectos erosivos. Painel explicativo.

Já fui fundo oceânico

Observam-se anfibolitos resultantes do metamorfismo de um basalto, há cerca de 1000 milhões de anos. Painel explicativo.

Minas de Ouro de Castromil

As Minas de Ouro de Castromil, dentro de uma óptica de preservação e divulgação, têm sido alvo de um projecto desenvolvido pelo Município de Paredes em parceria com o Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território da FCUP ...

Museu da Pedra do Marco de Canaveses

O Museu da Pedra de Marco de Canaveses é muito mais do que se vê. A Exposição permanente corresponde à primeira fase de um projecto que visa estender o Museu para muitos lugares. Será no futuro um museu polinucleado. Maior, dinâmico e inova ...

Museu de Jazigos Minerais Portugueses

Nas instalações do Laboratório de S. Mamede de Infesta encontra-se situado o Museu de Jazigos Minerais Portugueses. As colecções são representativas dos minérios, minerais industriais e rochas ornamentais de todo o território nacional, com ...

Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto

O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto foi criado em 1999. Este espaço nasceu de uma vontade antiga de reunir e expor uma preciosa coleção de instrumentos científico-didáticos, que demonstram, de forma clara, a evolução cientí ...

Museu Mineiro de São Pedro da Cova

O Museu criado em 1989, numa das antigas Casas da Malta, tem como missão a valorização, divulgação e dinamização do património geológico e mineiro de São Pedro da Cova. Após o encerramento da Companhia das Minas de Carvão de São Pedro da Co ...

Núcleo Museológico do Departamento de Engenharia de Minas

Tendo como base um modelo de museu polinucleado, o projeto Museu FEUP integra, entre outros, o núcleo museológico do Departamento de Engenharia de Minas, no qual foram reunidos testemunhos materiais e imateriais representativos da história ...

O gnaisse nasceu granito

Observação de gnaisses ocelados e granito intruindo xistos ou metassedimentos. Painel explicativo.

Um salto no tempo

Maciço granitico intrui xistos do Complexo Metamórfico da Foz do Douro, a norte. A sul, ocorrem gnaisses leucocratas ocelados. Painel explicativo.